Arquivo da tag: Florânia

Reabilitemos a política!

Não que seja do meu feitio falar desse assunto no meu primeiro texto do ano, ou que eu queira, possa ou deva, mas por incrível que pareça a pedra de toque dos assuntos políticos do momento em Florânia é um tal de “acordão” que anda visitando o imaginário popular dos políticos profissionais, tendo em vista as eleições de 2012.

O mais interessante é que, para alguns políticos daqui, os acertos entre eles são chamados de “acordos”, “combinados”, “pacto”, “trato”, enfim… Para o povo, isto se chama troca e venda de interesses. Quem se vende? Por quanto se vende? Para que se vende? A resposta todo mundo sabe ou ninguém sabe. Fica um disse me disse nas ruas e centro da cidade porque paira sobre as cabeças inteligentes das pessoas o seguinte: Ou a política deixou de assumir o que lhe é própria, a discussão dos problemas da cidade para o bem de todos, ou diluiu-se nos interesses mesquinhos de nossos representantes. O fato é que a população não confia mais ou não confia tanto assim nos seus políticos.

O que é mais irônico nisso tudo é que os mais políticos, digo, os que se interessam pela mais baixa e degradante política partidária são os que menos sabem de política, mas são os que mais sabem tirar vantagens sobre os outros de modo escuso e obscuro. As negociações entre eles nunca são muito claras, esta é que é a verdade. Agora, as negociações entre eles e nós, entre eles e o povo são e devem ser sempre claras. O que tento dizer aqui é que não existe na política uma ideia unilateral que dispense oposições de ideias. A política é o campo da liberdade de ideias, do debate, da discussão, mas nunca de “conchaves”, de “cercos”, de “combinados”, de “acordos”, de “arrumadinhos” porque senão acabaremos por transformar a política num regime autoritário, dogmático ou aristocrático, onde o poder é centrado nas mãos de alguns. A política é um jogo democrático e aberto, de grupos abertos, não é uma plutocracia(poder econômico) de grupos fechados com interesses egoístas, embora se veja isso aqui e no Brasil afora. Por isso, NÃO a acordos, SIM a política!

Parece-me que em Florânia, há uma confusão no que diz respeito à política, pelo menos por alguns grupos políticos que se acham visivelmente no direito de levantar a bandeira da paz para promover um “acordão” político sem despesas econômicas para o próximo pleito. Isso não existe. É mais uma ilusão das mentes ociosas de alguns políticos de Florânia que só pensam nos bolsos, menos no povo. Temo, com isso, estar vendo a morte da política quando ela passa a ser uma mera formalidade. Não se pode ir para um pleito com “acordos”, com “combinados”, já antecipando o resultado. Isto é um absurdo! Não podemos compactuar com isso. Não podemos tirar o direito de escolha de ninguém, simplesmente comprando suas consciências, cruzando os braços, fechando a boca e não fazendo mais política. A política não está feita, ela se faz.

Vejam o que diz André Comte-Sponville, filósofo francês, sobre a política por fazer ou refazer: “A política não é o reino do Bem, nem da Ideia, nem da Razão. É o reino da força e das relações de forças, dos interesses e dos conflitos de interesses. Devemos então renunciar à justiça? De jeito nenhum. Devemos compreender que ela nunca é dada, nunca é garantida, e por isso está sempre por fazer ou refazer”(in Sabedoria dos Modernos, p. 453).

Precisamos reabilitar a política à sua dimensão mais digna e mais justa, sendo ela mais discursiva e menos dogmática. Ninguém manda na política de Florânia, visto que as pessoas se candidatam livremente para promover uma escolha mais democrática entre elas, e assim promover um debate de ações que visem à melhoria da população como um todo, não de uma parte apenas.

Nunca se viu na história de Florânia, por causa de alguns políticos renunciarem às suas convicções, tamanha liberdade política. Mediante um clima de insatisfação política, diversas pessoas ganharam autonomia para lançar suas propostas, seus projetos e seus nomes em vista, acredito eu, de uma Florânia melhor. O que é muito bom para a política e para a democracia em Florânia. Quanto mais candidatos melhor.


Prof. Jackislandy Meira de Medeiros Silva
Licenciado em Filosofia pela UERN, Especialista em Metafísica pela UFRN e Especialista em Estudos Clássicos pela UnB/Archai/Unesco

Páginas na internet:
www.umasreflexoes.wordpress.com
www.twitter.com/filoflorania

 

Etiquetado , ,

Passeio à Pedra “Liza”

O sítio Pedra Liza, diga-se de passagem, escrita com z e não com s, proporcionou-me nestas férias uma experiência inigualável em contato com a natureza. Natureza simplesmente pura, saída das mãos do Criador. Em alguns lugares ainda intacta e preservada da ação humana. Porém, não só a natureza é o aspecto predominante, mas também a convivência familiar da companhia alegre e entusiasmada de Selma Nobre que ora nos visita em Florânia, juntamente com sua irmã Lourdinha Nobre, matriarca da família, ao lado do casal das Dores Nobre e Seu Jorge com a grata presença de seu netinho Hélison.  O casal atualmente mora e zela pelo lugar, “para onde todos os caminhos levam a ele”, à Pedra Liza.

Ocasionalmente, cá estou eu com minha esposa Silmara Rejanny e minha sogra da Guia Nobre aproveitando o sossego da Casa Velha da Pedra Liza, de alpendre vistoso, portas e janelas largas, parece abraçar quem chega da cidade de Florânia, ansioso por um bom descanso nas redes armadas e bem abertas, preguiçosamente à espera dos anfitriões.

Quando se está bem acomodado à sombra do alpendre, percebe-se sem demora uma vista que enche os olhos de admiração, cujas nuvens chuvosas apontam altaneiras sobre a popular serra do carvão. Os periquitos, de quando em vez, dão o ar da graça com o seu canto. E por falar em canto, como se não bastasse o das rolinhas, das seriemas e cigarras na margem do açude, ainda se pode ouvir o canto do pássaro Mãe da Lua durante à noite inteirinha, anunciando bons presságios para o agricultor que espera por chuvas nessa época do ano aqui no sertão do Seridó.

O sítio pedra liza, na zona rural do município de Florânia, localizado entre os Bentos e Salgado, faz fronteira com o Município de Jucurutu/RN e é um colírio para os nossos olhos, uma vez que sua natureza acorda todos os dias deslumbrante por trás de suas serras. Visitando o sítio e vasculhando um pouco da sua história, não dá como não lembrar da figura de Seu Hercílio Nobre, um homem que, antes de tudo, amava a agricultura e fazia questão de viver da terra com uma família de 12 filhos criados, dos 23 nascidos, fora moradores e trabalhadores do sítio. Conta-se que Seu Hercílio, ao ver a mesa farta de alimentos, perguntava a todos: “Observem a mesa e vejam o que tem  comprado?”. Praticamente nada era comprado, a não ser a farinha e a rapadura, mas o resto, tudo era produzido na Pedra Liza. Talvez, por isso mesmo seus filhos sejam tão apegados à terra de origem. A terra da qual surgiu boa parte da tradicional família Nobre.

A harmonia do homem em seu estado interior com a Natureza à sua volta é muito marcante. Vacas, bezerros, burros, jumentos, açudes, rios, peixes, serras verdinhas, pássaros, estercos. Tudo em volta cheira à natureza.

A noite é um pouco estranha porque é muito quieta e calma, sem a companhia da televisão, do PC e da internet nos víamos apenas com o barulho do mijar das vacas no curral durante toda a madrugada. Mas o dia foi de todo empolgante. A Selma, tia de minha esposa não parava de fotografar o movimento da natureza que transcorria silenciosa sem pedir licença. É uma beleza magistral poder não apenas ver, mas sentir a presença de Deus em tudo isso. É Deus que está aqui agora, porque é Ele o responsável direto por tudo. É ele quem dá luminosidade ao céu. É ele quem enche de vida as matas. É Ele quem nos chama para contemplar o seu infinito. É Deus quem distribui com amor os benefícios da terra. Somente Deus toma para si a imensa Criação e diz assim: fiz para que a dominasse com inteligência. O livro do Gênesis tem a ver conosco!

Para terminar, muito me impressionou um achado curiosíssimo da Sra. das Dores Nobre de uma telha antiquiquíssima, datada do século passado(11 de dezembro de 1914), que provavelmente remonta da construção da Casa Velha da Pedra Liza muito anterior a esta data(fins do séc XIX)que, dentre outras tantas coisas que contam, o seu alicerce até a alta calçada toda feita manualmente de pedras enormes, possivelmente pedras carregadas em lombos de burros.

A Pedra Liza reuniu um pouco de tudo nesse passeio de dois dias, histórias, saudades, família, reencontro com a Natureza do lugar e, finalmente, a comida simples e saudável à base de coalhada, queijo de manteiga, leite natural, peixe, frutas, enfim….


Prof. Jackislandy Meira de Medeiros Silva
Licenciado em Filosofia pela UERN, Especialista em Metafísica pela UFRN e Especialista em Estudos Clássicos pela UnB
Páginas na internet:

www.umasreflexoes.wordpress.com
www.twitter.com/filoflorania

 

Etiquetado , , ,

Educar também é argumentar

“Educar é argumentar”(Richard Rorty). A partir desta expressão do filósofo pragmático dos EUA, podemos afirmar sim que a educação passa também por um fator extremamente útil da fala, a argumentação. Vivemos indiscutivelmente num mundo voltado para a comunicação, para a exposição de ideias, exigindo mais ainda de nossos estudantes certo preparo nessa dimensão.

Sendo assim, a Escola Estadual Teônia Amaral da cidade de Florânia/RN, sob a orientação do Prof. Jackislandy Meira de M. Silva, está realizando, desde o dia 18/04/2013, oficinas do Programa do Ensino Médio Inovador (ProEmi) que abre a possibilidade para os estudantes desta Escola e de outras instituições educacionais do município desenvolverem um lastro de atividades que tem a ver com a argumentação.

Exploração da oralidade, exercício do debate, polidez no discurso e ampliação do diálogo são alguns componentes trabalhados por nossas oficinas que carregam a ideia de FERRAMENTAS FILOSÓFICAS: oralidade, interpretação textual e tecnologias. Pela iniciativa, tenho visto que os estudantes estão participando mais das aulas; perguntando mais, intervindo constantemente, melhorando a impostação da voz e a dicção.
Iniciamos propondo a construção de um púlpito. Pelas fotos, é possível acompanhar detalhadamente a confecção de um púlpito, local exclusivo para o discurso, a fala. Durante as oficinas, o púlpito está sempre lá, à disposição para o uso da fala, isto é, o púlpito representa de fato um lugar chamativo que, ora ou outra, convoca o estudante para exprimir sua indignação, bem como o coloca no centro das atenções do exercício democrático. O púlpito não só atrai os eminentes oradores, mas também forma os futuros oradores para uma atividade indispensável numa sociedade democrática, a expressão de opiniões.
Por falar nisso, ainda temos outras ações complementares na Educação que podem ser vistas na rede das experiências inovadoras do Ensino Médio em que os próprios estudantes fazem seus trabalhos, dinâmicas, reflexões, intervenções e construções científicas, estimulando-os, claro, a um tipo de posicionamento participativo e democrático dentro e fora da Escola. Aos poucos, os estudantes estão tomando gosto pelas práticas das oficinas e por variadas abordagens que emergem delas.
Que os estudantes de nossa Escola continuem com o mesmo empenho, dedicados aos trabalhos e às atividades propostas pelas oficinas do ProEmi 2013.

Prof. Jackislandy Meira de Medeiros Silva

Bel. em Teologia, Licenciado em Filosofia, Esp. em Metafísica e Pós-graduando em Estudos Clássicos pela UnB/Archai/Unesco.

www.umasreflexoes.blogspot.com.br

www.chegadootempo.blogspot.com.br

www.twitter.com/filoflorania

Para ver estas e outras fotos das oficinas é só acessar http://redeemiexperienciasinovadoras.ning.com

Etiquetado , ,

PROEMI 2014 – Provocações Filosóficas: Músicas, Cinema e Literaturas

PROEMI 2014 – PROVOCAÇÕES FILOSÓFICAS: MÚSICAS, CINEMA E LITERATURAS

PROPOSTA DA DISCIPLINA DE FILOSOFIA PARA O CONTRATURNO

As oficinas do Programa do Ensino Médio Inovador 2014, na Escola Estadual Teônia Amaral de Florânia/RN, estarão começando nesta segunda-feira, dia 24/03 a partir das 19h. Estudos e trabalhos das oficinas “Provocações filosóficas” acontecerão às segundas e quintas-feiras de cada semana. Os estudantes interessados deverão procurar o professor responsável pela oficina ou a direção da Escola para fazerem suas inscrições.

EMENTA: Sendo a Filosofia uma atividade da razão que nos conduz a pensar por conta própria e uma experiência eminentemente existencial que nos faz dialogar com o mundo e suas exigências, pretendemos com as “provocações filosóficas” abrir caminhos, trilhas, de acesso às questões mais vitais que o homem fora capaz de fazer. Temas como a liberdade, a angústia, a morte, o amor, a justiça, o poder, a vida, o outro, o trabalho, a política, Deus, o desejo, enfim, fluem possivelmente da audição de uma simples música popular ou erudita; da projeção de um filme brasileiro ou estrangeiro; e, sobretudo, da leitura de obras de autores nacionais e também estrangeiros. Partir das produções musicais, do cinema e das literaturas mais diversas é a ousadia nossa para provocar em nós as manifestações mais estranhas, comoventes e curiosas, próprias do filosofar.

OBJETIVOS: Instigar o hábito de provocar discussões a partir da audição de uma música que lhe dá prazer. Estimular o estudante a compreender suas músicas, seus filmes e seus livros (literatura de seu interesse). Possibilitar a construção cultural de seus valores através da música, dos filmes e dos livros. Fortalecer a formação da identidade (subjetividade) por meio de filmes educativos com abordagens filosóficas. Procurar apresentar aos estudantes uma filosofia bem popular presente nos estilos musicais. Promover uma forma de interpretação crítica da filmografia brasileira e estrangeira. Pontuar obras da literatura brasileira e estrangeira que tratem da temática filosófica. Provocar a leitura de textos variados de modo filosófico. Aprender a não só entreter-se com a música, o cinema e suas leituras, mas a tirar destes uma mensagem de reflexão para a vida.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS:

1ª Etapa: março, abril e maio – Estilos musicais. Principais nomes da música popular brasileira. Alguns músicos estrangeiros de forte influência em nossa cultura. Música de sentido filosófico que trabalha com conteúdos políticos, éticos e sociais.

2ª Etapa: julho, agosto e setembro – Principais cineastas brasileiros e estrangeiros e seus estilos. Filmes históricos que marcaram nossa cultura pela relevância e abordagem temática. Documentários interessantes para nossa reflexão. Curtas que exploram os problemas e conflitos humanos.

3ª Etapa: outubro, novembro e dezembro – Destacar algumas obras literárias, tipo romances, crônicas, poesias, contos que dialogam com o universo temático da Filosofia clássica e contemporânea. Textos de escritores como Clarice Lispector, Machado de Assis, Manoel Bandeira, Nelson Rodrigues, João Guimarães Rosa, Platão, Dostoievski, Shakespeare e muitos outros serão trabalhados e, de alguma forma, estudados.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda, MARIA Helena Pires Martins. Filosofando: Introdução à Filosofia. – 4 ed. – São Paulo: Moderna, 2009.

CHAUI, Marilena. Filosofia – série Brasil. São Paulo: Ática, 2005.

CHAUI, Marilena. Convite à filosofia. 12ª. ed. São Paulo: Ática, 2002.

GAARDER, Jostein. O mundo de Sofia. Romance da história da filosofia. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

GALLO, Sílvio. Ética e cidadania. Caminhos da Filosofia. 20ª ed. São Paulo: Papirus, 2011.

LALANDE, André. Vocabulário técnico e crítico de filosofia. S. Paulo: Martins Fontes. 1999.

LISPECTOR, Clarice. A descoberta do mundo. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

PLATÃO. A República. Col. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

PONDÉ, Luiz Felipe. Guia Politicamente incorreto da Filosofia. São Paulo: Leya, 2012.

RODRIGUES, Nelson. O óbvio ululante: primeiras confissões crônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: veredas. 19ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2001.

SHAKESPEARE, W. Tragédias. São Paulo: Nova Cultural, 2003.

VV.AA. Filosofia. Ensino Médio. 2ª ed. Curitiba: SEED-PR, 2006.

Prof. Jackislandy Meira de Medeiros Silva

Bel. em Teologia, Bel. e Licenciado em Filosofia, Esp. em Metafísica, Esp. em Estudos Clássicos.

www.umasreflexoes.blogspot.com

www.chegadootempo.blogspot.com

www.twitter.com/filoflorania

Etiquetado , , ,
Parafraseando-me

Meu fazer e refazer constantes

Didáctica de la Filosofía

Enseñanza de la filosofía

Filosofia Crítica

"Levar a filosofia às pessoas, levar as pessoas a filosofar." tiomas@yahoo.com

Clube Literário do Porto

Um lugar onde a Cultura acontece

Poesias, frases e textos

Melhores poesias, frases, crônicas, textos e música

Da Literatura

Um blog sobre livros e amor pela leitura

O Meio e o Si

Seu blog de variedades, do trivial ao existencial.

ZÉducando

Educação, Tecnologia, Reflexão e Humor: combate ao "não-pensantismo" *

aultimaestrofe

Just another WordPress.com weblog

φρόνησις

"Filosofar é aprender a morrer". Montaigne

Luciano Ezequiel Kaminski

Textos sobre Filosofia e Sociologia

OUSE SABER! BLOG DO PROFº MARCOS FABIO A. NICOLAU

O blog visa disponibilizar material didático on line das atividades docentes no semestre [aulas, cursos, oficinas, grupos de pesquisa], assim como minha produção acadêmica [publicações, artigos, comunicações e palestras]

kely Brenzan

Esta é a pagina e blog a da autora